sexta-feira, 27 de junho de 2008

salvador, três meses depois

Fiz uma viagem a Itiúba nestes três meses que estive em Salvador que me fez obviamente passar por Feira de Santana. Na viagem de volta, deixando um sertao bem verde para trás, num domingo no final da tarde, percebi que a maior impressao que Salvador me deixou nesta estadia é que ela nunca esteve tao Feira de Santana.
A substituicao do calcamento de pedras portuguesas da Barra por granito e concreto, noticia em A Tarde hoje, sexta-feira 27 de junho, paginas 4 e 5, e so uma confirmacao dessa impressao.
Como um dos entrevistados, chamei a atencao para a relacao de textura e materialidade entre os elementos do calcamento e a arquitetura historica ali presente. Sera que a proxima decisao do IPHAN preve o azulejamento das superficies de pedra que formam as bases dos fortes?

2 comentários :

Wal disse...

Márcio, eu nunca estive em Feira de Santana, mas há alguns anos, antes mesmo da eleição do nosso prefeito, eu brinquei com os meninos, dizendo que intuia um processo de feira-de-santanização de Salvador. Ainda alerto aos meus amigos de fora, que ainda não conhecem Salvador, para virem rápido, pois, em breve, vai ser uma feira-de-santana-com-vista-para-o-mar. Seu comentário localiza os problemas que eu, na minha inteligência intuitiva, apenas advinhava. hehehe.

Alguém, por favor, faça alguma coisa!!!!!!! Beijos, Wal.

Fernanda Leturiondo disse...

Que boa dica me deram, esse seu blog. Foi Lilia uma amiga. Gostei muito.

Não moro mais em Salvador, mas a cada retorno, uma estranheza. Às vezes penso que são meus olhos que, desacostumados ao cotidiano da cidade, reclamam a distância imposta, a perda da intimidade. Mas, não, nada com isso. É a cidade, o que fazem dela. Odeio ver aquela multiplicação de bares com telões e manobristas na porta, arg...

Ah, e foi um prazer ler sobre Beleza Pura. Sinta-se acompanhado em sua chateação. É verdade que aquela coisa tosca não merece discussão, mas merece esculhambação.

um abraço,
Nanda