domingo, 24 de maio de 2009

palma de ouro para um dos melhores

Haneke é há muito tempo um dos meus diretores preferidos e é um prazer a notícia da Palma de Ouro em Cannes para o seu novo filme. Para quem já tinha ganho o grande prêmio do júri e o prêmio de melhor diretor, esta é uma consagração de peso. O destaque alcançado pelo cinema austríaco nos últimos anos - e não somente a obra de Haneke - é fruto de uma densidade longe de ser conseguida com um mainstream como o da Globo Filmes. E o cinema poderia servir a um paralelo com a arquitetura, entre a Áustria e o Brasil: prêmios de importância mundial dados a obras individuais têm nos dois países uma relação completamente diferente com o que é produzido em grande escala. Na Áustria há comunicação entre as duas instâncias, no Brasil elas permanecem isoladas.

Nenhum comentário :