quinta-feira, 1 de setembro de 2011

a árvore da vida, o filme

O filme tem a pretensão comum em filmes de Wim Wenders, por exemplo, o que é ruim. O filme tem uma fotografia belíssima, como nos melhores momentos da produção visual feita nos Estados Unidos nas últimas quatro décadas. O filme tem edição e atuaçoes impecáveis, e ele nos ensina que os melhores atores do mundo serão sempre crianças norte-americanas.
E o filme é também sobre escalas, arquitetura e design. Ritmo narrativo e fragmentação recompoem de maneira excelente a ansiedade com a memória da vida.
Ainda não sei o quanto gostei; já sei que este filme não sobreviverá bem ao tempo. Vive de impacto, tem texto autônomo em excesso; como um filme de Wenders.

Nenhum comentário :